Café-escola premiado pelo Banco Santander Totta

O projeto-piloto da VilacomVida foi premiado com uma menção honrosa no valor de 3.000€, por ocasião da primeira edição do concurso Donativo Participativo, promovido pelo Banco Santander Totta na gala de entrega de prémios que decorreu no passado dia 11 na sede do banco, em Lisboa.

Foram apresentadas 146 candidaturas e eleitos 15 finalistas, selecionados pelos colaboradores do Banco em Portugal.

Agradecemos ao Banco Santander Totta e a todas as pessoas que votaram no nosso projeto, a confiança depositada pelo futuro positivo das Gerações Autónomas.

No comments
wb_gestaoCafé-escola premiado pelo Banco Santander Totta
Ler mais

Somos CAVI – Centro de Apoio à Vida Independente

É com grande entusiasmo que informamos que a Associação VilacomVida foi reconhecida como Centro de Apoio à Vida Independente (CAVI). Isto significa que, no âmbito da nossa missão – a promoção da inclusão social e vida autónoma de pessoas com perturbação ligeira do desenvolvimento intelectual – seremos uma estrutura que colocará em prática o Modelo de Apoio à Vida Independente (MAVI).

Este modelo assenta na disponibilização de assistência pessoal a pessoas com deficiência ou incapacidade para a realização de atividades de vida diária, ou seja, que necessitam de apoio para prosseguir a sua vida de forma independente.

De acordo com o n.o 3, do artigo 174 do RE_ISE, conjugado com o n.o 2 do artigo 3.o do Decreto-Lei n.o 129/2017, de 9 de outubro, são potenciais beneficiários deste programa:

a) As Pessoas com deficiência certificada por Atestado Médico de Incapacidade Multiuso ou Cartão de Deficiente das Forças Armadas, com grau de incapacidade igual ou superior a 60% e idade igual ou superior a 16 anos.

b) As pessoas com deficiência intelectual, as pessoas com doença mental e as pessoas com Perturbação do Espetro do Autismo (PEA), com idade igual ou superior a 16 anos podem ser destinatárias de assistência pessoal, independentemente do grau de incapacidade que possuam.

c) As pessoas com deficiência com idade igual ou superior a 16 anos que se encontrem abrangidas pela escolaridade obrigatória apenas podem beneficiar de assistência pessoal fora das atividades escolares.

d) Os maiores declarados interditos podem beneficiar de assistência pessoal devendo ser assegurada a sua participação ativa no processo da formação da vontade e na efetivação das decisões, sem prejuízo do regime legal das incapacidades e respetivo suprimento.

Se corresponde a qualquer um destes perfis ou conhece alguém que possa estar interessado em beneficiar deste programa, envie por favor um e-mail para info@vilacomvida.pt indicando o seu contacto. Será contactado em breve pela nossa equipa.

No comments
wb_gestaoSomos CAVI – Centro de Apoio à Vida Independente
Ler mais

Painel em “direto” no Observador

Com a moderação da nossa grande jornalista/ cronista/ apresentadora Laurinda Alves, a Associação VilacomVida esteve presente no painel em direto promovido pelo Observador, onde se abordaram várias temáticas e novas formas de envolver a Comunidade – no nosso caso – através do tema da inclusão social.

Este convite representou mais um grande passo para a Associação, por se tratar de uma oportunidade de divulgar o nosso projeto e o que pretendemos fazer pelas Gerações Autónomas e sobretudo uma grande honra, por nos sentarmos junto de pessoas que muito têm feito na área da inovação social.

O nosso obrigado ao Observador e ao Santander Totta  por tão honroso convite para este painel de prestígio, onde partilhamos parte da nossa estratégia de envolvimento da Comunidade sob o tema da diferença cognitiva e o nosso projeto-piloto – “Café-escola”.

Ler artigo completo.

Assista ao painel.

No comments
wb_gestaoPainel em “direto” no Observador
Ler mais

1.º Concerto Solidário pelas Gerações Autónomas

No dia 17 de maio de 2018 realizou-se o 1.º Concerto Solidário pelas Gerações Autónomas no Auditório Sra. da Boa Nova no Estoril.

Foi uma noite mágica em todos os sentidos, onde se juntaram artistas de grande coração e talento alinhados em palco por uma mesma causa: a vida autónoma, feliz e realizada de tantos jovens com défice cognitivo ligeiro mas cheios de capacidades e que tanta gente ainda desconhece.

Antes do concerto tivemos a oportunidade de dar a conhecer ao vivo o nosso projeto-piloto, que replicámos no bar do Auditório e onde alguns destes jovens e o fantástico público presente experienciaram este conceito de autonomia que queremos implementar.

Este projeto-piloto, que estamos a promover em parceria com outras instituições (BIPP, Semear, DejaLu, APPT21 e Diferenças – Centro de Desenvolvimento), é um programa 360º com o objetivo de criar oportunidades de formação, de aprendizagem, de desenvolvimento e de empregabilidade destes jovens, num espaço central da vila ou da cidade e bem perto de todos nós.

Contámos ainda com a presença de alguns stands que aproveitaram este momento para também eles apresentarem os respetivos projetos: Livro e blog Tomás my Special Baby, o livro Miguel & Sinatra, as malas feitas de capulanas africanas da Matiti Bag, os livros já lidos da DejaLu, o BIPP e o projeto Semear.

O cartaz reuniu a presença incomparável de Tozé Brito com as suas letras intemporais, Peu Madureira no fado, Isabel Novella que trouxe o calor africano para o palco, Mimi Froes que interpretou “Imagine” dos Beatles, duas surpresas maravilhosas, Tiago Bettencourt e João Pedro Pais aos quais não podemos deixar de agradecer. Contámos ainda com Pedro Vaz, músico, produtor e compositor que, por esta causa, compôs o hino da Associação VilacomVida, cantado pela voz de Carolina Leite e cuja letra é sua. Agradecemos também a Jaime Santiago, também ele ligado a causas sociais e ao Martim Simões de Almeida com a sua jovialidade e carisma em palco. Terminamos a noite com Miguel Ângelo, que dispensa apresentações, e que cantou a “Baía de Cascais” e “Um lugar ao sol”, que tanto precisam estas futuras gerações autónomas.

Muito obrigada a todos os que incondicionalmente nos deram a mão: à Laurinda Alves que abraçou esta causa, às instituições que nos ajudaram a tornar este evento possível, aos amigos, aos conhecidos e aos que não conhecíamos e que passámos a conhecer, aos que não víamos há muito mas que logo se prontificaram a ajudar, acima de qualquer expectativa, tal qual o são as nossas Gerações Autónomas.

Veja a galeria de fotos, saiba todos os detalhes sobre o 1.º Concerto Solidário pelas Gerações Autónomas.

No comments
wb_gestao1.º Concerto Solidário pelas Gerações Autónomas
Ler mais

Agora Nós: VilacomVida na RTP1

No dia 17 de maio, estivemos no programa Agora Nós, na RTP1, para apresentar a Associação VilacomVida e o seu projeto-piloto, horas antes do 1.º Concerto Solidário pelas Gerações Autónomas.

Filipa Pinto Coelho, Presidente da Associação VilacomVida, explicou como surge este projeto, que nasceu pela iniciativa e convite da Dra. Eulália Calado, neuropediatra reconhecida, que sempre acreditou no potencial dos jovens com défice cognitivo ligeiro e com muitas capacidades para explorar.

Infelizmente muitos destes jovens, quando terminam o seu percurso escolar, ficam em casa porque não “existe ainda uma resposta estruturada” da sociedade no que respeita à sua integração profissional, explicou Filipa Pinto Coelho.

Este concerto tem por objetivo a angariação de fundos para lançar uma solução possível para estes casos. trata-se de um projeto pioneiro de vida autónoma para os jovens com défice cognitivo ligeiro mas que têm capacidade de autonomia” – um “Café-escola”.

Trata-se de um projeto de empreendedorismo social que visa criar pontes entre várias Associações, algumas já parceiras da Associação, e tem como objetivo formar, empregar e ainda ajudar a criar oportunidades de trabalho para estes jovens.

Veja toda a entrevista aqui (min.40)

No comments
wb_gestaoAgora Nós: VilacomVida na RTP1
Ler mais

VilacomVida na SIC Mulher, Faz Sentido

No dia 15 de maio, Dia Internacional da Família, a Associação VilacomVida esteve na SIC Mulher no programa Faz Sentido para falar sobre o 1.º Concerto Solidário pelas Gerações Autónomas, que se realizou no dia 17 de maio de 2018.

Pelas palavras de Filipa Pinto Coelho, Presidente da Associação VilacomVida, “este concerto tem por objetivo a angariação de fundos para lançar um projeto pioneiro de vida autónoma – um “Café-escola” – para os jovens com défice cognitivo ligeiro mas que têm capacidade de autonomia”.

Trata-se de um projeto de empreendedorismo social que visa criar pontes entre várias Associações, algumas já parceiras da Associação, e tem como objetivo formar, empregar e ainda ajudar a criar oportunidades de trabalho para estes jovens.

Mas este café não se limita a ser um espaço onde se pretende empregar os jovens com perturbação ligeira do desenvolvimento intelectual (PLDI). Pretende-se que seja também um projeto de inclusão, onde se desenvolvem atividades para crianças e jovens da comunidade sem perturbações cognitivas, porque, trazendo os jovens com PLDI para o centro da vida de todos nós, proporciona-se uma troca de experiências, desmistificam-se preconceitos e podemos começar a “perder o medo por aquilo que desconhecemos”.

Veja toda a entrevista aqui.

No comments
wb_gestaoVilacomVida na SIC Mulher, Faz Sentido
Ler mais

VilacomVida apresenta projeto piloto na SIC Notícias

Com o objetivo de angariar fundos para o lançamento do primeiro “Café-escola”, realiza-se, depois de amanhã, no Estoril, o 1.º Concerto Solidário pelas Gerações Autónomas.

Este “Café-escola” é um projeto-piloto para a formação de jovens com perturbação ligeira do desenvolvimento intelectual, criando condições para um emprego com futuro e para que um dia estes jovens possam ter a sua própria casa. Filipa Pinto Coelho, da Associação VilacomVida, esteve na Edição da Manhã.

Assista ao direto aqui.

No comments
wb_gestaoVilacomVida apresenta projeto piloto na SIC Notícias
Ler mais

Elogio dos que abraçam

Laurinda Alves, Observador

Porque é que nunca se interrogam porque é que demasiadas pessoas com deficiência vivem fechadas em casa, como que aprisionadas, por não terem meios de se deslocarem nem transportes públicos adequados?

Pergunto-me muitas vezes porque é que os bloquistas e os geringoncistas, sempre tão amigos dos que eles acham que não têm voz (animais incluídos!) nunca param para defender as pessoas com incapacidades? Porque é que não fazem destas pessoas uma causa urgente? Porque é que lutam e gritam para que os animais sejam aceites em restaurantes e lugares públicos, por exemplo, quando sabem que nem todas as pessoas lá podem entrar? Porque ficam calados perante a multiplicação de espaços que não cumprem a lei das acessibilidades?

Porque não levantam a voz sempre que alguém portador de deficiência cai da sua cadeira de rodas por causa de uma rampa íngreme ou um passeio mal rebaixado? Porque não se incomodam quando alguém fica barrado à entrada de um museu ou de um café por não poder subir escadas e não ter acesso a uma casa de banho? Porque é que não se insurgem contra a falta de condições nas escolas e a falta de materiais de estudo para pessoas que não vêm e não ouvem? E porque é que nunca se interrogam porque é que demasiadas pessoas com deficiência ainda vivem fechadas em casa, como que aprisionadas, por não terem meios de se deslocarem, nem transportes públicos suficientes para as trazerem e levarem das suas necessárias voltas?

Sinceramente não percebo a discriminação que fazem, pois ignoram olimpicamente uma realidade que toca milhões de cidadãos, incluindo famílias e cuidadores. Têm a pretensão de serem inclusivos, mas não são. Incluem, sim, mas apenas os que lhes dão votos ou podem gerar lobbies para defender ou assegurar os seus próprios interesses. Excluem ou pouco se importam com os que sofrem de doença mental, os que têm problemas de acessibilidade, os que são portadores de deficiência, os que de alguma forma vivem condicionados. Não está certo, não é sério e não faz sentido.

Abstraindo desta gente que diz preocupar-se com todos, mas só se preocupa com alguns, vale a pena determo-nos em realidades que nos interpelam pela lógica de superação e conquista que revelam. Falo de negócios que prosperam e de resultados que não se traduzem apenas em números, ou lucro financeiro. Existe desde 2003 uma cadeia de restaurantes em muitas capitais da Europa, que trabalham apenas com pessoas invisuais. Muitos conhecem ou já ouviram falar dos restaurantes “Dans Le Noir?” por ser uma experiência sensorial radical, muito para além da pura degustação gastronómica. Neste restaurantes os clientes têm uma experiência de cegueira e são convidados a confiar desde que entram até que saem.

Confiam nos empregados, todos eles cegos, confiam no chef, nos menus e nos pratos que lhes são servidos, confiam no espaço que não vêm, confiam nos barulhos e sons que ouvem, confiam nas vozes dos que os guiam e lhes ‘mostram’ o que podem comer e experimentar. Confiam nas pessoas com quem estão e confiam inclusivamente que ninguém ali vê absolutamente nada, aceitando ir sozinhos à casa de banho, por exemplo.

Esta cadeia de restaurantes, que nasceu com o objectivo de despertar a consciência para a cegueira, mas também como projecto de responsabilidade social que emprega invisuais e prova as suas capacidades a quem duvida que possam gerar lucro e gerir um negócio, factura milhões de euros por ano e marca de forma muito impressiva todas as pessoas que aceitam sair da sua zona de conforto ao reservar uma mesa para almoçarem ou jantarem. Ninguém sai igual ao que entrou. A experiência tem tanto de inquietante como de desafiante e exaltante. Uma vez vivida, nunca mais é esquecida.

Em Paris há agora o Café Joyeux, café-pastelaria onde trabalham pessoas com vários tipos de deficiência mental e os clientes são servidos por jovens com Trissomia 21, mas não só. O core business, ocoeur du coeur desta marca é precisamente servir com o coração. No novíssimo Café Joyeux todos acreditam que ninguém é perfeito e há muita beleza na imperfeição. Os vídeos que existem na net, bem como a recente inauguração presidida por Brigitte Macron, primeira dama francesa, mostram a naturalidade com que todos circulam num espaço criado para incluir e para dar oportunidades profissionais a pessoas com handicaps mentais, que raramente têm a possibilidade de trabalhar, de evoluir e de serem justamente remunerados. E justamente olhados e reconhecidos por quem não sofre de qualquer doença ou incapacidade.

Em Portugal já vai havendo negócios lucrativos fundados exclusivamente para apoiar pessoas com deficiência. Estou a pensar na Livraria Déjà Lu, que conheço bem e só vende livros em segunda mão, todos eles doados por leitores e autores, cujas receitas revertem exclusivamente para a Associação Portuguesa de Portadores de Trissomia 21. Também esta livraria é um negócio lucrativo e escalável. Um modelo que se pode replicar em qualquer ponto dentro e fora do país, coisa que faz todo o sentido quando falamos de gerar lucro financeiro e não só, pois o lucro dos projectos de responsabilidade social também se medem pela quantidade de pessoas apoiadas nas comunidades.

Todos os pais com filhos portadores de deficiência ou com algum grau de incapacidade sofrem diariamente com a ideia da sobrevida dos seus filhos, pois naturalmente morrerão antes deles. Também lhes dói o impacto brutal da exclusão sempre que pensam no futuro que (não) lhes está reservado. Num país onde não abundam escolas preparadas para acolher crianças e jovens com doença mental e onde a transição para a idade adulta geralmente se traduz por ficar em casa, sem nada para fazer, os pais preocupam-se e muito. Legitimamente.

Um jovem adulto com deficiência ou incapacidade está quase sempre condenado a não poder ir para a universidade, a não encontrar trabalho e a perder os poucos amigos que foi conquistando ao longo da vida. O isolamento dos jovens adultos e a sua inactividade é muitas vezes regressiva e sempre profundamente desoladora para os próprios, mas também para os pais e famílias, ou quem os substitui.

Nesta lógica e porque está tudo por fazer, os pais vão-se associando e tendo inciativas que mudam o mundo, transformam a realidade e mudam o nosso olhar. Os políticos, decisores e legisladores podem não se deter perante a realidade das pessoas com incapacidade, mas os cidadãos avançam e dão passos de gigante. É impressionante.

Vejo isso na rapidez fulgurante com que apenas uma mãe conseguiu mobilizar uma equipa inteira, quase um movimento cívico, para organizar um concerto solidário no próximo dia 17, no auditório do Colégio Boa Nova, no Estoril. Artistas, músicos, produtores, realizadores e apresentadores foram desafiados a dar o seu melhor e a estar com gratuidade neste concerto pelas gerações solidárias. A ideia é dar a conhecer um novo projecto que está a germinar e, de certa forma, se pode comparar ao recém-inaugurado Café Joyeux.

O sonho da Associação Vila Com Vida é criar em Portugal espaços de café-bar onde também só trabalhem jovens adultos com déficit cognitivo e doença mental, proporcionando-lhes autonomia e realização pessoal e profissional. Em Paris, os fundadores do Café Joyeux inspiraram-se em Jean Vanier, filósofo canadiano radicado em França, fundador d’A Arca em 1964, hoje presente em 35 países. Jean Vanier, autor de vários livros, recebeu o prestigiado Prémio Templeton por ter dedicado toda a sua vida a pessoas com incapacidades e ter criado uma fabulosa rede de casas de dimensão familiar onde vivem, em comunidade, estas mesmas pessoas com os seus cuidadores e formadores (alguns deles voluntários).

Jean Vanier ainda está vivo e faz 90 anos em Setembro, mas já raramente sai de uma destas suas comunidades, onde também ele mora. Na semana passada chegou a Portugal uma embaixada de franceses para falar do que é A Arca. Vieram os que têm deficiências mentais e os que cuidam deles. O grupo passou cá uma semana e ficou até ao dia em que foi lançado o extraordinário livro-testemunho “Ouve-se um Grito”, tradução portuguesa de “Un Cri se Fait Entendre – Mon Chemin Vers La Paix”, de Jean Vanier. Conheci-os todos pessoalmente e ouvi-os falar e contar como é o seu quotidiano. Percebi que cada uma das pessoas com deficiência trabalha e ganha o seu dinheiro, gerindo a sua vida e o seu tempo com razoável autonomia, graças ao apoio incondicional dos especialistas e voluntários dedicados que também moram n’A Arca.

É difícil tirar conclusões nesta matéria e escrever resumidamente sobre um tema tão vasto, tão complexo e tão sensível, mas não é possível passar ao lado. Por isso aqui fica o meu elogio a quem abraça, a quem acolhe, a quem luta, a quem se entrega. Deixo Jean Vanier, na primeira pessoa:

“Ao longo da minha vida, foram pessoas com alguma deficiência intelectual que, pouco a pouco, me transformaram, libertando-me dos meus medos, revelando-me a minha própria humanidade. Depois dos terríveis atentados que atingiram a França, parece-me mais importante do que nunca dar o testemunho de uma fraternidade que é possível entre os seres humanos, de culturas, de religiões e de histórias diferentes. Nada está perdido.”

No comments
wb_gestaoElogio dos que abraçam
Ler mais

Viemos conhecer o Café JOYEUX

O Café JOYEUX é uma autêntica inspiração para o nosso projeto-piloto que queremos lançar com o 1.º Concerto Solidário pelas Gerações Autónomas já dia 17 de maio.

Viemos conhecê-lo de perto e imediatamente sentimos que no Café JOYEUX “serve-se com o coração”. Foi num ambiente muito simpático, super charmoso e confortável que nos receberam todos os colaboradores, os quais, na sua maioria, são pessoas muito capazes com um défice cognitivo.

Contagiou-nos a sua alegria, simpatia, descontração, profissionalismo, concentração e capacidade técnica no que faziam.

Ficámos deliciados com os produtos artesanais que servem e que são todos feitos “in-house” por uma super cozinheira muito simpática também!

Vamos a isto, em Portugal também e pelas gerações autónomas!

Saiba tudo sobre o nosso projeto-piloto.

Conheça ainda o Café JOYEUX.

No comments
wb_gestaoViemos conhecer o Café JOYEUX
Ler mais

1.º Concerto Solidário pelas Gerações Autónomas

No próximo dia 17 de Maio, no Auditório Sra. Boa Nova, no Estoril, esperamos por si para o 1.º Concerto Solidário pelas Gerações Autonómas. Este evento tem como objetivo lançar o nosso projecto-piloto – o CafécomVida – um projeto de empreendedorismo social pela vida autónoma.

Este projeto nasceu em Dezembro de 2016, guiado pela vontade de mudar a vida de muitos jovens com défice cognitivo ligeiro, mas com capacidade para desempenhar um papel ativo na sociedade, terem uma profissão e um dia até a sua própria casa, como acontece em muitos países do mundo.

Acreditamos que, se confiarmos e puxarmos pelas suas capacidades para o emprego, mal terminado o seu percurso escolar, estes jovens sentir-se-ão felizes e realizados na comunidade a que pertencem.

Queremos agradecer à Câmara Municipal de Cascais e às instituições que nos apoiaram na realização deste evento e que subscrevem connosco esta causa: Semear, Diferenças – Centro de Desenvolvimento Infantil, Déjà Lu.

Por isso fica o apelo: vamos juntos promover connosco as Gerações Autónomas, adquirindo bilhetes (já à venda na ticketline)e divulgando a iniciativa. Para quem não puder ir, pode comprar um bilhete solidário para dia 18 de Maio a partir de 5€.

Convidados: Tozé Brito, Miguel Ângelo, Pedro Vaz, Peu Madureira, Martim Simões De Almeida, Mimi Froes, Jaime Santiago, Isabel Novella e Carolina Leite.

Bilhetes à venda na Ticketline

No comments
wb_gestao1.º Concerto Solidário pelas Gerações Autónomas
Ler mais